9 de jan de 2008

ILUSÃO











ILUSÃO

Volta
a cotidiana tirana
rasga sonhos
atiça quimeras
ronda em rosas cores
quebra pratos
amacia
acaricia
bate forte
apaga-se
e retorna
ondula afagos
estende as garras
suavemente
ninhos nuvens
ilude, intenta
sedenta de chagas
cinzas doloridas
nunca morre...

Ana Wagner

Um comentário:

Ana Perisse disse...

Ana:
Bom Dia, Aninha!

"Ilusão" chegou-me em bom tempo
e é linda!!!!!!

que bom, voltaste!!!!!!
a saudade faz com que cada encontro tenha sabores mais apetitosos, né?

besos
ana

Ao anônimo leitor!

Gostaria de fazer
um agradecimento
aos inúmeros leitores
anônimos que me visitam
diariamente. São pessoas
de lugares distantes ou
próximos que passam
por aqui diariamente.
Obrigada anônimo leitor!

Tempo