11 de fev de 2009

MULHER COMUM




















MULHER COMUM


Sou mulher sem requintes
sem a escultura do corpo
ou o fascínio da mente
Portanto, sou relegada
às sobras de algum carinho
ao mínimo tempo de alguém
sou facilmente esquecida
magoada, machucada

Só quem vale são aquelas
mulheres bonitas
mulheres brilhantes
exuberantes, audaciosas
um pouco maliciosas
provocantes e sedutoras

Tenho carinho e meiguice
e um amor sem limites
mas quem disse
que isso importa?
É a beleza que abre a porta!

Ana Wagner

* Este é um pequeno protesto à ditadura da beleza e da magreza.

3 comentários:

Silvia Regina disse...

alo poeta ****** como vai?**** poema sensível e acertado, infelizmente.. Desce dele uma melancolia sofrida e vivida.. os tempos são assim agora - só vale a beelza física e a superficialidade ** que pena ****Um beijo azul com saudades de ti
Enviado por Silvia Regina Costa Lima em 03/02/2009 18:36
para o texto: MULHER COMUM (T1419978)

Roberto Sorti disse...

Nem toda beleza perdura intocável, nem toda candura é controlavel, talvez o que mais sustenta, não é o atrevimento, audácia, malícia provocante e sedutora e sim a simplicidade da meiguice estampada no sorriso, no amor sem limites, há quem diga que a beleza abre porta, eu digo que o tempo é o senhor de tudo e de todos, e ai o que era vidro e se quebrou o encanto. Nada supera a beleza do ser, os encantos, mesmo que passados anos, serão mais valiosos, feito vinho, quanto mais velho melhor.
Enviado por Roberto F Storti em 03/02/2009 16:05
para o texto: MULHER COMUM (T1419978)

Neneca Barbosa - Um ser humano em evolução! disse...

Parabéns Aninha, pelo Blog e pelos belos poemas!
Obrigada pela visita ao meu.
Um beijo! Neneca

Ao anônimo leitor!

Gostaria de fazer
um agradecimento
aos inúmeros leitores
anônimos que me visitam
diariamente. São pessoas
de lugares distantes ou
próximos que passam
por aqui diariamente.
Obrigada anônimo leitor!

Tempo