4 de nov de 2008

PROCELA













PROCELA


O sonho amarrou o barco
quando o coração parou,
preso ao passado horizonte,
em ninho e plumas tecido,
em ferro e grade se tornou.

Como saber a diferença?
Soltar amarras!
Deixar o rumo ao timoreiro!

Ana Wagner

2 comentários:

Francisco disse...

Boa Noite Ana! Tenho certeza que o timoneiro poderá levá-la a um porto seguro, onde encontrarás as respostas para o teu coração. Abraços do amigo
Enviado por Francisco Albano Boscatto em 09/11/2008 02:17
para o texto: TEMPESTADE (T1264650)

Oswaldo Antônio Begiato disse...

Oswaldo Antônio: Parabéns!

procela, sim, pra mim perfeita..
bjos.w

5 de Novembro de 2008 16:45

Ao anônimo leitor!

Gostaria de fazer
um agradecimento
aos inúmeros leitores
anônimos que me visitam
diariamente. São pessoas
de lugares distantes ou
próximos que passam
por aqui diariamente.
Obrigada anônimo leitor!

Tempo